Manifestantes da greve das mulheres dizem o que gostariam que homens ouvissem

Fabiano Alcântara

Por

Atualizado em 9/03/2017

Greve das mulheres

Gabriel Quintão Greve das mulheres

Atos em 40 países marcaram a greve das mulheres, Dia sem Mulher ou 8M. Em São Paulo, onde houve concentrações na Sé e na avenida Paulista, nós estivemos na marcha que pediu igualdade de gênero e protestou contra as desigualdades e o feminicídio, entre outras pautas.

Nós aproveitamos para ouvir o que algumas mulheres que se manifestaram na quarta (8) gostariam que os homens escutassem. Com a palavras, as mulheres:

O que muheres gostariam que homens ouvissem

1 de 14
Compartilhe Twitter Google +

Kita Barbosa, funcionária pública, com o filho Paulo

"Além daquelas bandeiras que todo mundo sabe, acho que a questão do dia a dia mesmo, do cotidiano, do machismo que as mulheres sofrem nas pequenas atitudes. Até a gente mesmo nem percebe e acaba sendo machista sem perceber, apesar de levantar esta bandeira todos os dias."

Créditos: Gabriel Quintão

Jéssica

"Não mexam com mulher na rua, isso é uma cultura do estupro, sim, e meu corpo não é um objeto."

Créditos: Gabriel Quintão

Mariana Sarmento, jornalista, com a cachorra Lola

Apenas respeito. Respeito em todos os setores, em todos os lugares. A questão do sexo não pode servir para haver qualquer tipo de discriminação, desigualdade. É isso, igualdade de sexo e aprender a olhar para elas neste formato, com esta perspectiva.

Créditos: Gabriel Quintão

Tati, artesã

"Que a gente não merece apanhar. A gente não merece ser agredida. A gente dá à luz. O meu ventre dá à luz a você. Então não tem como você me agredir. É meio ilógico um homem agredir uma mulher. A gente não é igual? A gente tá lutando pela igualdade, eu não quero ser melhor do que você, eu não sou melhor do que você. E nem você é melhor do que eu. Os homens tinham que se conscientizar disso, que a gente não é objetificação sexual, a gente não nasceu só pra procriar, a gente tem o mesmo direito que ele. De beijar vários, de transar com vários, de trabalhar, de receber o mesmo. Eu quero ser tratada igual. Porque força física a gente tem e muita."

Créditos: Gabriel Quintão

Cuca Bolaffi, professora, e Flávia Bolaffi, escritora

Cuca Bolaffi, professora: "Eles precisam escutar a mulher. Ficar quieto e escutar. Qualquer homem. Porque a mulher também tem que entender o machismo dentro dela. Então o que o homem tem que entender é o machismo dentro dele e a sociedade precisa entender e transformar isso, junto. Precisa ter um aceito de transformar forte. Um aceito de escutar mesmo". Flávia Bolaffi, escritora: "Tem uma questão que a nossa geração, que vai bater aí nos 45, 50, achou que as nossas mães tinham resolvido o machismo porque elas lutaram nos anos 60. Fizeram um grande movimento e a gente achava que OK, a gente vai lutar pelas pautas de esquerda, que era a redemocratização do Brasil. E a gente não viu o machismo, a gente sofria, sofre diariamente, mas a gente não via. E as meninas, nossas filhas, universitárias, secundaristas, começaram a mostrar para gente, nossa, tem muito o que avançar, vocês não têm noção, isso é machismo, isso é machismo, isso é absurdo. E aí a gente começou a perceber e os nosso maridos e companheiros, os que aceitam, também começaram a perceber. Quem sabe, isso na classe média, obviamente, quem sabe não começa a mudar isso."

Créditos: Gabriel Quintão

Milena e Elisa

Greve das mulheres

Créditos: Gabriel Quintão

Ato em apoio à greve internacional de mulheres

Ato em apoio à greve internacional de mulheres

Créditos: Gabriel Quintão

Ato em apoio à greve internacional de mulheres

Ato em apoio à greve internacional de mulheres

Créditos: Gabriel Quintão

Ato em apoio à greve internacional de mulheres

Ato em apoio à greve internacional de mulheres

Créditos: Gabriel Quintão

O cantor e compositor Otto

Greve das mulheres

Créditos: Gabriel Quintão

Ato em apoio à Greve das Mulheres no Rio de Janeiro

Ato em apoio à Greve das Mulheres no Rio de Janeiro

Créditos: Reprodução/Facebook

Ato em apoio à Greve das Mulheres no Rio de Janeiro

Ato em apoio à Greve das Mulheres no Rio de Janeiro

Créditos: Reprodução/Facebook

Ato em apoio à Greve das Mulheres no Rio de Janeiro

Ato em apoio à Greve das Mulheres no Rio de Janeiro

Créditos: Reprodução/Facebook

8M no Rio de Janeiro

8M no Rio de Janeiro

Créditos: Reprodução/Facebook

Sugerir correção

Relacionados ao assunto

Carregar mais

Comentários