Mercado é acusado de racismo após fiscal tomar doce de criança negra e expulsá-la

João Vieira

Por

Atualizado em 12/06/2017

Supermercado Princesa, no Rio de Janeiro

Divulgação Supermercado Princesa, no Rio de Janeiro

Leia mais

O Supermercado Princesa, localizado na bairro das Laranjeiras, Rio de Janeiro, foi denunciado por racismo pelo educador André Couto, que foi com seu filho ao local no último sábado (10) e se deparou com a criança, em um dos poucos momentos em que esteve sozinha, sendo acusada de roubo por um fiscal.

André, que, assim como seu filho de 12 anos, é negro, denunciou o detalhou o caso em sua página no Facebook. “Estava na fila passando as compras, enquanto meu filho pegava na gôndola um Kinder Ovo e levava à máquina de verificação de preço com objetivo de me persuadir a comprar o chocolate (quem vai ao supermercado na companhia dos filhos entende bem essa cena)”, começou ele.

“Quando me virei meu filho estava sendo abordado por um segurança da loja, tomando da mão dele o chocolate e pedindo para ele sair da loja, dando tapinhas nas costas dele para se apressar. Ao ver a cena pedi explicações e o tal segurança me disse que “alguém” o havia alertado acerca do comportamento do meu filho, a saber: um menino segurando um chocolate perto da fila dos caixas. O que havia de suspeito, errado ou ameaçador nesse comportamento? Rigorosamente nada”, relatou.

André, revoltado com a cena, foi atendido pelo gerente e criticou o estabelecimento. “Por alguma razão, o segurança se sentiu autorizado em abordar o meu filho sem, ao menos, verificar se ele estava ou não acompanhado. Aliás, nada estaria errado caso ele estivesse sozinho. Ao perceber a minha fúria com aquela cena bizarra, o fiscal me pediu desculpas, em seguida os gerentes da loja me pediram desculpas. Repito aqui o que disse em alto e bom som na loja: não desculpo”, disse ele.

O relato segue: “Não desculpo porque eu vi o olhar de susto do meu filho. Não desculpo porque estou farto das inferências e dos olhares persecutórios. Não desculpo porque essa cena agora faz parte da memória do meu filho. Não desculpo porque o meu filho vendo o meu rosto transtornado me pediu desculpas como se ele tivesse feito algo errado. O que aconteceu hoje não é outra coisa senão mais um evento para a minha coleção de atos de racismo sofridos num país que gosta de se olhar no espelho e ver refletido uma democracia racial. Mas este foi o primeiro ato de racismo a ser vivido junto com o meu filho. Ele tem 12 anos, dos quais os últimos 18 meses vivendo comigo, após processo de adoção. Não fosse por esse fato, provavelmente já teríamos passado por isso antes. Há muitas intenções nesta mensagem, mas a principal é dizer algo que me dói terrivelmente: quem pede desculpas sou eu. Desculpas, meu filho, não consegui te proteger tal como eu gostaria. Papai te ama”, finalizou.

O post foi compartilhado mais de 1,8 mil vezes e curtido por cerca de 7,6 mil pessoas. Dada a repercussão, o Princesa se manifestou e disse, ao jornal O Estado de S. Paulo, estar apurando o caso. “Encaminhamos ao setor jurídico, que está em contato com o cliente, porque, claro, aqui ninguém compactua com nenhuma forma de discriminação”, afirmou o estabelecimento.

11 mulheres negras que já foram vítimas de racismo

1 de 12
Compartilhe Twitter Google +

Taís Araújo, Sheron Menezes, Rihanna, Ludmilla e outras outras artistas negras vítimas de ataques raciais

Taís Araújo, Sheron Menezes, Rihanna, Ludmilla e outras outras artistas negras vítimas de ataques raciais.

Créditos: Reprodução / Instagram

Preta Gil

Preta Gil mostrou em seu Facebook diversos ataques racistas que sofreu numa postagem publicada nesta segunda-feira (25). A cantora foi chamada de macaca, além de sofrer com vários xingamentos machistas.

Créditos: Reprodução/Instagram

Taís Araújo

Em outubro de 2015, seguidores entraram no Facebook da atriz e a atacaram com dizeres como "cabelo de esfregão" e "gorila de zoológico". Após os ataques, a hashtag #SomosTodosTaisAraujo bombou nos TTs mundiais.

Créditos: Reprodução / Instagram

Maria Júlia Coutinho

Na página do Jornal Nacional no Facebook, internautas ofenderam a raça da apresentadora e um deles se referiu à Maju como escrava: "Onde compro essa escrava? Na época, o caso gerou revolta nas redes sociais e William Bonner e Renata Vasconcellos saíram em defesa da jornalista.

Créditos: Reprodução / Instagram

Sheron Menezes

Nas redes sociais, a atriz foi atacada com comentários como "negona" e "escrava" e disse que tomaria providências contra os agressores.

Créditos: Reprodução / Instagram

Ludmilla

No Instagram, a cantora foi xingada de "macaca lixo" e respondeu que o seguidor deveria ser preso.

Créditos: Reprodução / Instagram

Cris Vianna

A atriz postou uma foto no Facebook e recebeu comentários do tipo "preta cabelo de bombril" e "ratazana africana".

Créditos: Reprodução / Instagram

Rihanna

Em 2011, uma editora de uma revista holandesa se referiu à Rihanna como "vadia negra" e pediu demissão após a repercussão do caso.

Créditos: Reprodução / Instagram

Amandla Stenberg

Pelo Twitter, a atriz que interpretou Rue em ‘Jogos Vorazes’ teve que ouvir que "estragou o filme por ser preta".

Créditos: Reprodução / Instagram

Oprah Winfrey

A apresentadora contou em uma entrevista que foi impedida de comprar uma bolsa de grife em uma loja de Zurique, na Suiça, porque a vendedora não a reconheceu e disse que ela não teria dinheiro para pagar pelo produto.

Créditos: Reprodução / Instagram

Halle Berry

A atriz revelou ao jornal Daily Mail que já foi chamada de "nigger" (termo pejorativo usado para pessoas negras) em Hollywood.

Créditos: Reprodução / Instagram

Mariah Carey

Durante a divulgação do filme 'O Mordomo da Casa Branca', no qual a cantora interpretou uma personagem que sofria preconceito, Mariah revelou que na infância tomou uma cuspida no rosto apenas pelo fato de ser negra.

Créditos: Reprodução / Instagram

Sugerir correção

Relacionados ao assunto

Carregar mais

Comentários