'Eu desisti do japonês', conta Catarina Migliorini, a virgem da Playboy, sobre comprador de sua virgindade

Catarina Migliorini, a moça que leiloou sua virgindade para um ousado projeto de documentário, diz que já descartou ter sua primeira vez com o japonês, denominado Natsu, que havia arrematado sua virgindade por cerca de R$ 1,5 milhão. Mais: ela pode ainda aceitar uma proposta melhor ou reservar a perda da vingindade para um novo amor. Em entrevista exclusiva ao Virgula Famosos, a estudante contou ainda que curte o bom e velho rock, sabe tocar (Ludwig van) Beethoven (músico alemão do final do século 18) no piano e está em dúvida entre estudar medicina na Argentina ou fazer um mochilão pelo mundo.

Virgula Famosos: Seu nome verdadeiro é Ingrid, certo?

Catarina Migliorini: Mas pode me chamar de Catarina, que eu prefiro Catarina. Além de ser o nome da minha "nonna" (avó em italiano), também tem aquela velha história de eu ser catarinense, morei muito tempo no estado de São Paulo e me chamavam de Catarina, porque eu ia sempre pra Santa Catarina, ficava indo e vindo e acabou ficando. Eu gosto.

E a sua vontade de estudar na Argentina? Seria motivada pelo desejo de afastar seu nome da mídia, devido à exposição que você teve com o leilão da virgindade?

Não, a ideia de estudar na Argentina já tinha vindo antes disso. Eu já tinha me matriculado na faculdade de medicina e aí veio o meu diretor (Justin Sisley, que promoveu o leilão) e disse: ‘Vamos gravar agora’. Em agosto, era para eu ter ido, já estava tudo certo e acabei não indo por causa das filmagens. Aí, depois eu me rematriculei para começar agora em março, na UBA (Universidade de Buenos Aires, Argentina). E eu sou uma pessoa muito instável.

Mas você pretende mesmo ir?

Pode ser que me dê a louca e eu vá para a Argentina ou pode ser que eu fique aqui e aproveite o momento. Ou que me dê a louca e eu pegue um mochilão e vá para a Europa ou qualquer outro lugar do mundo.

Se ficar no Brasil, você trabalharia na TV?

Se eu ficasse aqui seria capaz de eu aproveitar sim.

Já recebeu alguma proposta neste sentido?

Sim, estamos analisando. Tenho assessor de imprensa e ele me ajuda bastante com isso.

Por que o “ato” com o japonês ainda não aconteceu?

Porque além de eu ter propostas maiores, entendeu... Para ser franca: eu descartei o japonês. Eu descartei o japonês, entendeu? Se for acontecer, não vai acontecer com ele. Vai ser com algum brasileiro que faça uma proposta maior ou deixo para um possível amor.

A imprensa chegou a cogitar que seria um amor que você conheceu na balada. Seria esse?

Não foi na balada que eu o conheci. Nunca falei isso. (risos)

Mas você está curtindo seriamente essa pessoa?

Fiquei um pouco balançada, sim. Não sei se ele já sabe que eu estou um pouquinho caída por ele, sabe? Estou ainda balançando entre razão e emoção. Mas geralmente a minha razão se sobrepõe.

Você gosta de música? O que você gosta de ouvir?

Rock!

Fale algumas bandas que você gosta.

Gosto de Led Zeppelin! Stairway to Heaven, Rock and Roll, Black Dog... Gosto de rock antigo, Pink Floyd, Black Sabbath, Deep Purple.

Você toca piano. Gosta de música clássica?

Tenho um irmão mais velho que é pianista clássico, formado na USP (Universidade de São Paulo), e eu cresci escutando isso. Ele sempre me ensinou umas músicas. Eu me arrisco (risos).

Vou ler um trecho do que o Oscar Maroni, dono da boate Bahamas e conhecido como o rei da noite paulistana, disse em entrevista ao jornal Folha de São Paulo. "Havia um piano de cauda no restaurante do hotel. E ela foi lá e tocou Bach e Beethoven lindamente. Vestia um shortinho jeans e uma blusa leve, sem sutiã. Fiquei apaixonado". Ele disse ainda que se conheceram há dois anos, mas o próprio afirmou que não rolou nada, mesmo vocês tendo ido a um hotel.

Olha, eu tenho restrições do meu advogado para que eu não fale mais nada sobre esse assunto. A única coisa que eu posso dizer mesmo é que eu adoro (Johann Sebastian) Bach (músico alemão do século 17), mas não sei tocar nenhuma música dele. (risos). Beethoven sim, mas Bach não (risos).

Mas você afirmou na mesma matéria citada da Folha que o conheceu.

Eu acho assim, conhecer uma pessoa, estar no mesmo lugar que ela, realmente não significa que aconteceu alguma coisa. Eu o conheci, acho que não tem nada demais nisso.

Foi a palavra dele contra a sua?

Pois é, mas também tem que ver o seguinte também: ele foi atrás (disso) justamente para aparecer. Porque quem estava conhecida na época era eu e não mais ele. Eu não entendo porque ele fez isso, porque quer mostrar isso. Mas homem que é homem, mesmo que tivesse acontecido alguma coisa, não tinha que ter necessidade de ficar falando por aí.

Veja mais fotos de Catarina Migliorini na galeria acima!



Você também pode gostar de:

Comentários: